Mapeamos  toda
pra
você.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




 
Compartilhar

Publicado em 23/01/2019


REJEIÇÃO:

SENTIMENTO DIFÍCIL DE LIDAR

Hoje, trarei para reflexão um tema que causa inúmeras consequências na vida de quem sofre a rejeição. Um sentimento que paralisa em vários contextos da vida familiar, profissional, social e acadêmico.

As causas que originam o sentimento de rejeição podem ser diferentes para cada pessoa, dependendo do histórico de vida, desde o nascimento, infância, adolescência, ou no decorrer da vida adulta.

A rejeição é um sentimento vivenciado intensamente. O medo, a fantasia de ser inadequado, a sensação permanente de não pertencer ao mundo que vive. Toda qualidade de vida é infinitamente prejudicada.

Ocorre uma desvalorização de si, impressões de fracasso, um sofrimento atroz. Podem surgir somatizações, doenças crônicas, depressões, compulsões, síndrome do pânico e outras.

Relacionamentos emocionalmente desestruturados, em que ocorrem uma gravidez indesejada, podem gerar o sentimento de rejeição para mãe. Gestar passa a ser um peso, em alguns casos o pai também pode ser ausente, as consequências para o bebê podem ser desastrosas.

Podemos observar que existem bebês extremamente tristes, faces abatidas em crianças que são abandonadas, desamparadas em suas necessidades.

A carência afetiva que pode gerar sentimentos de rejeição também está presente em classes sociais elevadas, o abandono é caracterizado não só pela presença física, mas também por falta de carinho e atenção por quem cuida e educa.

Na escola, desde pequenas, muitas crianças se sentem deixadas de lado. Nas brincadeiras, começam a se esquivar por conta do medo de não serem aceitas, então se fecham e não são convidadas a participar de nada, o que afasta cada vez mais a possibilidade de aproximação.

As pessoas que se sentem rejeitadas são vistas como tímidas, por serem caladas, fechadas, sofrem bullying, pré-julgamentos em todos os contextos, passam por antipáticas por não participarem de grupos que exijam interação.

Os rótulos e preconceitos, gerados pela sociedade, também podem causar ou reforçar sentimentos de rejeição, pelo fato de ditar padrões de beleza, estética, forma de se comportar, etc.

Na vida moderna, as redes sociais também são um meio para reforçar sentimentos de rejeição. Os aplicativos utilizados para relacionamentos fazem com que as pessoas se escondam através de perfis autênticos ou falsos, correndo riscos de não serem aceitos, outro fator que costuma acontecer é a comparação com pessoas aparentemente bem-sucedidas.

Sentir-se rejeitado também corresponde à perda de oportunidades, por ser retraída, a pessoa prefere não se expor com medo de não ser aceita, a baixa autoestima também faz com que não acredite nas suas competências e possibilidades.

Pessoas que se sentem rejeitadas são frágeis, vulneráveis emocionalmente, evitam situações que possam ser percebidos de alguma maneira, criam um mundo solitário, cheio de frustrações. O medo do não, em qualquer circunstância da vida é vivido de maneira sofrida, angustiada.

Existem estágios progressivos da rejeição, quando a pessoa convive com ela e com algum esforço consegue manter sua rotina, ou quando se torna paralisante, onde ocorre um medo que se agiganta e pode gerar processos de depressão, síndrome do pânico, e outras.

Podemos lembrar de crianças que vivem em abrigos por terem sido abandonadas, o sentimento de rejeição existente é grande, algumas tem a felicidade de serem adotadas por famílias responsáveis e carinhosas, mesmo assim, essa nova família terá que trabalhar dia a dia e até buscar ajuda profissional para desconstruir as barreiras que o sentimento de rejeição construiu.

Algumas crianças, mesmo tendo esse apoio e sua vida reestruturada, permanecem com o sentimento de rejeição que pode perdurar na vida adulta, o que também implica em acompanhamento terapêutico para ressignificação de toda sua história.

Sentir medo de ser rejeitado impõe a quem sente, uma rejeição ainda mais dolorosa, que é a rejeição de si próprio, não se sentir capaz nem merecedor de compreensão e afeto, condições necessárias para reverter o processo da rejeição.

Viver o cotidiano com a sensação permanente de não ser aceito é desestruturante, onde cada dia parece ser um peso. O fato de se fechar em um mundo exclusivo torna ainda mais difícil a superação, é comum sentir vergonha de si, raiva por e achar diferente e não conseguir mudar.

Acredite, repense e traga para si, a possibilidade de mudança de algo que parece não ter fim. Muitas pessoas sentem-se rejeitadas, a ponto de se sentirem apenas um objeto descartável, é necessário que se compreenda as causas da rejeição, buscar ajuda profissional e compartilhar esse sentimento destruidor, pode ser o início de um caminho para que ocorra gradativamente o equilíbrio.


Boas reflexões!

Fico a disposição para dúvidas ou maiores esclarecimentos.

Forte abraço!

Claudete J. Silva Colunista de Saúde e Comportamento
Psicóloga Especialista em Clínica e Psicossomática
Tels: (11) 5594-2639 | WhatsApp: (11) 99626-4832
e-mail: claupsi.js@gmail.com



Compartilhar





Portal Vila Mariana ® SP