Mapeamos  toda
pra
voce.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




       
Compartilhar


Publicado em 14/11/2022


O MUNDO DENTRO DO QUARTO


Com a infância se encurtando cada dia mais, o quarto é o refúgio para os adolescentes e jovens. Mas o que se passa lá dentro, mesmo?

Um quarto tem quatro paredes. Uma janela e uma porta. Por vezes há um banheiro que se abre para o quarto, a famosa suíte. Nas muitas vezes existe um mundo dentro de um quarto.

Cada vez mais ouço relato de jovens - especialmente eles! - que fazem do seu quarto exatamente o seu mundo. Lá, eles comem, dançam, transam virtualmente, jogam, dão risadas, passam madrugada afora exercendo a profissão de psicólogo de amigos. Dentro do quarto, o mundo é quadrado, e as medidas variam de acordo com o tamanho da casa ou apartamento. O quarto abriga sonhos, desilusões, amor, ódio, vazio existencial. O quarto representa a vida.

Quando pergunto sobre as pessoas que ali moram, por vezes elas foram assassinadas dentro de suas mentes, como forma de aniquilar a dor da falta ou da omissão. Ou ainda da decepção. Raros os casos onde os habitantes do planeta, digo, casa, são bem-vindos ao quarto, esse mundo tão restrito.

Como tudo se passa por ali, comida, bebida e água precisam ser estocados, além do necessitam a mais para sobreviver. Dia desses, o menino me contou que falava com os outros habitantes do local por whatsapp. E somente na necessidade. Tipo, você fez comida? Você pode fazer um pix para mim?

Dentro do próprio mundo cada um é o que realmente deseja ser: a menina é cam girl, o menino é o serial killer do jogo. Nada é proibido nem questionado. Uma chave virada na porta e o universo se abre aos destemidos moradores do mundo imaginário que se torna real.

Recordo-me do clássico filme O quarto de Jack, de 2016, cujo personagem central vivia, por situação única, dentro de um  quarto - era o que conhecia como mundo. O mundo de Jack. Quando ousou sair, sentiu-se perdido, cogitando o retorno ao quarto. Sim, sua mente era seu quarto.

Por anos, iniciando cada vez mais cedo, o quarto será o mundo de muitos. Por vezes, será uma morada um pouco mais longa, visto que muitas pessoas estão amadurecendo cada dia mais tarde.

Mas é a forma que o jovem encontra de  pertencer a algum lugar, nesse mundo com tanta pressão.

Lá, dentro do celular, dentro do computador, ou dentro do travesseiro, ele é aceito.

O mundo fora do quarto não está fácil para ninguém, muito menos para os que estão desabrochando para a vida e enfrentando um abismo de conceitos entre eles e seus pais, ou sua família. Ou as pessoas com quem conviva. É um novo mundo e quem está vindo tem a certeza que assistir é um verbo intransitivo - eu assisto, ponto. Ou ainda que se apaixonam em alguém. Não mais por alguém.

E, em algum museu online, descobrirão que existiu um jogo chamado pacman. 

Embora sabemos da necessidade do ser humano em socializar-se, o diálogo numa época da vida se torna difícil - a mudança de mundo ocorre na ida à escola e basta. Lá é um outro mundo, assunto para outro artigo.

Casa de vó se tornou distante demais para os que se fecharam dentro do próprio mundo. Mas essa fase passa... como tudo na vida.

Como eles frequentam terapia? online é óbvio. O caminho entre o quarto e a clínica é emocional demais para eles.


Redação: Silvia Delforno




Portal Vila Mariana ® SP