Mapeamos  toda
pra
você.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




   
Compartilhar

Publicado em 10/09/2019


AMOR PRÓPRIO:

VOCÊ TEM?


Hoje, abordarei um tema, que costuma ser confundido e muitas vezes completamente esquecido. O amor próprio. Uma das etapas na busca do autoconhecimento, dá ênfase a esse aspecto, que abrirá portas para uma melhor compreensão de si e dos que estão ao redor

Muitas pessoas, confundem o amor próprio como se fosse egoísmo, pois imaginam que se voltar e valorizar a si, é ignorar os outros. Ao contrário, é desenvolver a capacidade de autenticar seus sentimentos, desejos e concretizá-los.

No desenvolvimento do autoconhecimento, vem a maturidade emocional que identifica as fragilidades e potencialidades de cada um. Para lidar bem com os outros é necessário lidar bem consigo, se cuidar, e admirar suas realizações em todo decorrer da vida, isso exige auto-observação contínua.

Algumas pessoas, se submetem a situações, onde mesmo descontentes só querem a satisfação do outro, esquecem-se de si, sem refletir conseguir nem colocar limites, dizem sim para o outro, e não para si mesmo causando conflitos.

O amor próprio, é comumente associado a autoestima, não quer dizer gostar de si apenas fisicamente, adquirir bens materiais, e sim compreender suas reais necessidades, iniciando pelo equilíbrio emocional, a forma de se posicionar diante das adversidades da vida.

Conquistar o amor próprio, é compreender, aceitar e impor limites, sem sentimentos de inferioridade, é aprender com os erros, saber direcionar a própria vida, entender e ter tolerância com as frustrações quando algo não der certo, é saber olhar positivamente para dentro de si.

A aquisição do amor próprio, é diferente para cada pessoa, quando se tem uma estrutura familiar saudável, desde o início do desenvolvimento, o amor próprio se instala naturalmente e permanece por todo o decorrer da vida.

Famílias desestruturadas, onde existe agressividade, física, emocional, vícios, prevalece na criança e vida adulta, sentimentos de desamparo, insegurança, medo, e carências que não darão espaço para existência do amor próprio.

O amor próprio, está intimamente ligado às escolhas que se faz em qualquer contexto, nas amizades, no relacionamento, na vida familiar, acadêmica, profissional. É se colocar nas situações com segurança, sem medos.

O amor próprio caminha paralelamente com o autoconhecimento, quem possui, torna-se mais seletivo, aproxima-se com facilidade de pessoas, circunstâncias que agregam o bem-estar, as críticas que possam sofrer, são vistas como opiniões opostas, mas que merecem ser respeitadas.

Outra característica importante para cultivar o amor próprio é o aprendizado para lidar, reconhecer controlar suas emoções, se tornar uma pessoa centrada.

Sentir amor próprio é muito diferente do narcisismo, que é o termo que define a pessoa que é voltada apenas para si, mas de maneira doentia, alguém que se admira exageradamente, que idolatra sua imagem, é individualista, egoísta.

Sentimento de baixa autoestima, mágoa e rancor podem encobrir a possibilidade da descoberta do amor próprio, são pessoas que passam o tempo todo querendo concretizar o desejo do outro esquecendo-se completamente de si, sofrem o tempo inteiro.

Quando se conquista o amor próprio, também se consegue lidar bem com o desapego do passado, conceitos equivocados, os bons momentos são lembrados, sem esquecer que novos objetivos deverão ser alcançados.

O amor próprio, está intimamente ligado ao amadurecimento emocional, onde são identificados, fragilidades e potencialidades, não existe sentimento de inferioridade, comparações, os chamados erros, são vistos somente como aprendizados.

Entender e praticar o amor próprio, consiste em assumir as responsabilidades da vida como um todo, deixando de culpabilizar o outro pelo que não dá certo, é ter autonomia, filtrar tudo o que possa trazer sentimentos negativos. O amor próprio, também exige o desenvolvimento pessoal, não só manter uma aparência física, mas equilibrar a mente e o corpo, cuidar da saúde em geral, fazer exercícios, boa alimentação, ter momentos de lazer, amigos, fazer boas escolhas, respeitar a si, entender seus sentimentos.

O amor próprio faz com que exista uma necessidade constante de se renovar, aprender, compartilhar, enfim, crescer para se relacionar bem com o outro. A vida exige posturas, atitudes, dentre elas o saber dar valor a si mesmo.

Reflita, peça ajuda profissional, perceba que em você existe um universo para ser explorado, antes de mais nada, é preciso dar espaço para se conhecer, uma infinidade de possibilidades poderá se abrir.


Sugestões e ou dúvidas, fico à disposição!

Abraço!
 

Claudete J. Silva Colunista de Saúde e Comportamento
Psicóloga Especialista em Clínica e Psicossomática
Tels: (11) 5594-2639 | WhatsApp: (11) 99626-4832
e-mail: claupsi.js@gmail.com



Compartilhar





Portal Vila Mariana ® SP