Mapeamos  toda
pra
você.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




Compartilhar

Publicado em 14/07/2017


SEPARAÇÃO:

UM MOMENTO DIFÍCIL DE LIDAR

Olá! Hoje colocarei para reflexão um termo vivenciado por uma enorme parte da população: A separação.

A decisão da separação, na maioria das vezes passa por momentos dolorosos, existe a procrastinação, ou seja, vai se adiando ao máximo para se evitar o contato com as mudanças que causam dor.

Existe uma tendência de vitimizar quem fica e culpabilizar quem sai da relação, aqui vamos pensar que não existem exatamente os culpados, sempre prefiro substituir a palavra culpa, por responsabilidade, que é de ambas as partes.

A falta de diálogo em todo decorrer da relação pode trazer acúmulos de sentimentos, como raiva, mágoa, sensações que vão sedimentando, causando um desconforto uni ou bilateral, em outras situações, ambos envolvidos camuflam as dificuldades existentes por anos a fio.

Um dos motivos que muitas vezes os casais protelam a separação, é a condição de ter filhos, principalmente se forem pequenos, muitas vezes os pais não compreendem que permanecer juntos em atrito pode trazer sérios comprometimentos emocionais aos filhos.

Quando existem os filhos, a separação de forma amigável é imprescindível, porém nem todos os casais procedem assim, por estarem emocionalmente mexidos, muitos pais acabem por colocar os filhos contra seus próprios pais dependendo da posição que se encontrem, influenciam negativamente, estimulando sentimentos agressivos, como raiva, culpabilidade e outros difíceis de lidar.

A idealização de uma relação, com altas expectativas, muitas vezes é um fator predominante para desmotivações no relacionamento, a baixa tolerância, a frustração, pode desencadear descontentamentos e gerar possibilidades de separação.

Nos dias atuais, sabemos que a reconstrução de novas famílias tem sido bem mais comuns, mas para algumas pessoas parece ser inviável pensar que a vida continua, a maioria fica apegada ao passado, o que torna ainda mais difícil a possibilidade de superação de algo que não deu certo.

A separação traz sentimentos de culpa, angústia, quem é deixado se sente desamparado, como se tivesse ficado sem chão, mudar algo que parece imutável parece ser um grande desafio.

Quando a separação acontece por traição de uma das partes, o desiquilíbrio e as discussões geradas são de fato descompensadoras, o emocional pode ser gravemente afetado, exigindo cuidados especiais, pois muitas pessoas se tornam seriamente abaladas depois desse episódio.

Existem pessoas, que se separam por morte e por adoecimento grave, os que ficam podem vivenciar essa separação de forma dramática, podendo causar transtornos físicos e emocionais pela dificuldade de aceitação.

Manter uma relação de aparências é no mínimo uma insensatez, pois os prejuízos emocionais podem trazer sequelas e problemas irreversíveis para quem vive esse drama.

A tomada de decisão da separação é um processo para alguns, lento, doloroso e que demanda muito equilíbrio emocional. Muitas pessoas se desestruturam, o que complica ainda mais a necessidade de preparação para a nova situação.

Essa posição confunde e prejudica de maneira considerável a necessidade da continuidade de uma vida emocional estável.

A separação, quando se está num contexto de desavenças e falta de estabilidade pode gerar um sentimento de alívio, apesar da sensação de medo do novo.

Por outro lado, a frustração dos projetos não realizados, podem trazer à separação uma sensação de perdas e luto, porém uma realidade necessária para ser vivida, da melhor forma possível. O que a princípio possa parecer algo desastroso, poderá trazer aprendizado e novas oportunidades para a vida.  

Quem passa pela experiência da separação, sem dúvida adquire uma forma de se repensar a vida, as possibilidades de criar e de se transformar, tudo isso obviamente se puder ver o lado positivo da mudança. Os sentimentos confusos que tudo isso poderá causar, pode aos poucos ser atenuados e substituídos pelo que há de bom.

Existem outras formas de separação: pais que perdem seus filhos para a morte, filhos que perdem seus pais pelo mesmo motivo, separações por desavenças familiares, separações de pessoas e seus animais de estimação, separações de amigos, enfim todas as formas podem trazer dor e sensações de perdas de um pedaço de si, exigem uma reconstrução de uma nova história, mas sem dúvidas com ganhos de um grande e inesquecível aprendizado.

Buscar ajuda profissional, para o restabelecimento do equilíbrio e os novos rumos da vida são passos importantes, pense nisso e faça um novo caminho, poderá se surpreender com o que irá encontrar.


Boas reflexões!

Fico a disposição para dúvidas ou maiores esclarecimentos.

Forte abraço!

Claudete J. Silva Colunista de Saúde e Comportamento
Psicóloga Especialista em Clínica e Psicossomática
Tels: (11) 5583 3374 | WhatsApp: (11) 99626-4832
e-mail: claupsi.js@gmail.com





Compartilhar




Portal Vila Mariana ® SP