Mapeamos  toda
pra
você.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




Compartilhar

VILA MARIANA

HISTÓRIA E URBANIZAÇÃO



São Paulo é uma metrópole que não para de crescer e vive um processo de urbanização constante. Mais do que qualquer outra cidade da América Latina, a capital paulista está diretamente ligada aos processos econômicos globais e às principais preocupações cosmopolitas do mundo. Por tudo isso, o que não faltam são pessoas a fim de estabelecer uma vida, uma carreira e uma moradia fixa na capital.
 
Mas nem sempre foi assim. No início, havia apenas áreas antigas da chácara da Glória até a criação de outros quatro núcleos: Santana, São Caetano, Glória e São Bernardo. Nesse processo, formou-se a Vila Deodoro, a partir da qual foi aberta a Estrada do Vergueiro, que ligava a região à cidade de Santos.

Como em toda civilização, o acesso ao mar impulsionou o desenvolvimento e, aos poucos, o que hoje é a região da Vila Mariana foi se tornando São Paulo. Uma curiosidade: a origem do nome do bairro está ligada à Mariana Kuhlmann, esposa do engenheiro Alberto Kuhlmann, responsável por uma linha de bondes que ligava a Liberdade até a Chácara Santo Amaro.

Antes de chamar-se Vila Mariana, o bairro queridinho dos paulistanos teve os nomes Colônia e Cruz das Almas – por conta de cruzes fixadas no bairro quando tropeiros foram vítimas de ladrões, ainda no século XIX.

Em 1887, teve início o funcionamento das oficinas de Ferro Carril, na rua Domingos de Morais, e do Matadouro Municipal. Juntos, os estabelecimentos contribuíram com o progresso do bairro e o fizeram dar um grande salto para se tornar o que é hoje. O local que antes abrigou o Matadouro Municipal veio a se tornar a Cinemateca Brasileira. 

A Urbanização da Vila

No final do século XIX, José Antônio Coelho comprou a Chácara da Boa Vista, a partir da qual abriu as ruas que hoje são Humberto I, Rio Grande e Álvaro Alvim. Em 1929, teve início a grande onda responsável pela construção de casas modernistas no bairro – entre elas, a Casa Modernista da Rua Santa Cruz.

Todos esses passos em direção à urbanização da Vila Mariana tiveram início no período republicano por conta do Encilhamento, marcado por euforia financeira e grande especulação imobiliária. Ao mesmo tempo, a oferta escassa de moradias e o aumento no número de pessoas na região incrementaram o mercado imobiliário.

Nesse contexto, empresários das classes média e alta enxergaram na construção de imóveis para alugar uma oportunidade para o acúmulo de capital. Como incremento a esse negócio inicial, os mesmos empresários também investiram no setor terciário (prestação de serviços).  

A instauração da República incentivou transformações nas relações políticas, na estrutura institucional do governo e no reordenamento nas relações de poder e de dominação.  Pouco a pouco, esses processos reinventaram a relação de moradores e visitantes com a Vila Madalena e complementaram o processo de urbanização local, permitindo mais interação com o espaço e gerando sentimento de pertencimento. Com cada vez mais serviços oferecidos no lugar, sair do bairro tornou-se necessidade cada vez menos frequente.  

Predominantemente de classe média alta, a Vila Mariana oscila entre os perfis residencial e comercial. Com a instalação da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e de colégios tradicionais como Liceu Pasteur e Arquidiocesano, a Vila Mariana se consagrou também pela infraestrutura educacional. Consultórios médicos e os hospitais Santa Cruz e Santa Rita também agregaram valor ao bairro no que diz respeito à saúde. 

Com um processo de urbanização crescente, construções famosas e imensa variação de serviços, a região da Vila Mariana foi, aos poucos, configurando-se como uma das mais funcionais e confortáveis da capital paulista. Segurança e fácil acesso também são vantagens do bairro.

Por todos esses motivos, as grandes construtoras estão sempre com os olhos voltados à Zona Sul e, especialmente, à Vila Mariana. Segundo estatísticas, o bairro é um dos campeões quando o assunto é demolição de construções históricas: 1.258 imóveis foram ao chão para dar espaço a grandes empreendimentos imobiliários destinados à classe alta.

Sem as construções do início do século, houve uma descaracterização da vila e, hoje, associações e entidades batalham para encontrar um meio termo entre os avanços imobiliários e a arquitetura característica do bairro, que é um dos símbolos de toda a cidade de São Paulo.

Henrique Vieira



 











dia 18 (Qua)
Meu amigo Enzo

Portal Vila Mariana ® SP