Mapeamos  toda
pra
você.

 
 
Cadastre seu e-mail para receber nossos informativos.
 
 




Compartilhar

Publicado em 06/05/2015


INSTITUTO 5 ELEMENTOS LANÇA

"CAMPANHA RECICLAGEM DE CELULARES"


Para reduzir os impactos ambientais do descarte incorreto dos aparelhos e estimular a consciência ambiental nas empresas e escolas públicas.

Ação é realizada em parceria com a Recomércio, startup fundada pelo francês Amaury Bertaud e especializada em recuperação e valorização de celulares, smartphones e tablets usados. Sem nenhum custo, empresas podem aderir à campanha como uma ação de responsabilidade social e promover o despertar da consciência ambiental entre seus colaboradores e redes de contato, fomentar a geração de renda por intermédio da reciclagem, beneficiar o meio ambiente e reverter recursos financeiros oriundos dos celulares arrecadados em ações de educação ambiental nas escolas públicas de São Paulo
 
São Paulo, 04 de maio de 2015 – O Instituto 5 Elementos – Educação para a Sustentabilidade* está lançando a "Campanha Reciclagem de Celulares"direcionada, inicialmente, às empresas da capital paulista e Região Metropolitana de São Paulo com o objetivo de contribuir para reduzir o impacto ambiental e à saúde humana causado pelo descarte incorreto dos aparelhos.  O Brasil está entre os campeões mundiais em telefonia móvel, com mais de 281 milhões de linhas ativas para uma população que mal ultrapassa a casa dos 200 milhões. Símbolo da vida moderna, o aparelho celular facilita a comunicação no dia a dia das pessoas, mas tem em sua composição metais pesados nocivos à saúde e ao meio ambiente, como chumbo, mercúrio e cádmio, entre outros presentes nas baterias que o alimentam e que podem contaminar água e solo, quando descartado inadequadamente; e provocar desde problemas neurológicos até doenças que afetam os movimentos das pessoas.

Embora mais de 80% dos materiais que compõem os aparelhos possam ser reciclados e boa parte dos celulares dispensados por uns pode ser reutilizada por outros, cerca de 98% dos brasileiros não os encaminham para reciclagem e 32% deixam os antigos guardados nas gavetas. Pior, em torno de 10% dispensam os aparelhos no lixo comum, levando perigo à saúde das pessoas e ao meio ambiente.
 
"Mais de 7.500 toneladas de celulares são jogadas nos lixões do País, por ano", diz Mônica Pilz Borba**, especialista em Educação Ambiental, fundadora e gestora do Instituto 5 Elementos, baseada em estimativas da Anatel, do Programa da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Meio Ambiente e da Fundação Santo André. Mônica lembra também que a emissão de CO2, gases que provocam o efeito estufa, varia de 6 a 50 quilos, por celular. Essas estatísticas reforçam cada vez mais a importância de programas e campanhas que estimulem a reutilização e reciclagem de celulares, como a que está sendo lançada este ano pelo Instituto 5 Elementos em parceria com a Recomércio, companhia startup especializada em soluções de recuperação, recompra, reutilização e reciclagem de aparelhos celulares, smartphones e tablets, fundada em 2013 no Brasil pelo empresário francês Amaury Bertaud, e que iniciou as atividades de compra e venda de aparelhos a partir de setembro do ano passado.
 
Desde então já comprou 1.500 aparelhos usados e vendeu 1.300 recondicionados seminovos. Também enviou para descarte correto em lixo eletrônico os 200 restantes que não puderam ser recuperados, processo realizado pela Coopermiti, uma cooperativa sem fins lucrativos parceira nesse trabalho. Para a Recomércio, é grande o potencial desse mercado no Brasil. Até o final deste ano, a empresa planeja comprar 15.000 aparelhos e vender 12.000 seminovos. "A Recomércio é uma empresa nova no País, mas já traz em seu DNA o apoio a entidades do terceiro setor", afirma Mônica. Criado em 1993, em São Paulo, o Instituto 5 Elementos é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pioneira na disseminação de conceitos e práticas sustentáveis e tem como missão fomentar o debate sobre essas práticas na sociedade a fim de transformar a relação das pessoas com a natureza e o meio ambiente urbano.


Benefícios: Como funciona a Campanha
 
Mônica explica que não há custos financeiros para as empresas participarem da campanha. Elas terão apenas que colocar à disposição dos funcionários uma urna para a coleta dos aparelhos e incentivar o engajamento deles, por meio dos materiais de comunicação e divulgação (banners e telas de descanso para computador, entre eles), cedidos gratuitamente pelo próprio Instituto 5 Elementos. As empresas não terão custos, mas terão ganhos importantes, bem como seus funcionários. A parceria do 5 Elementos com a Recomércio prevê que todos os celulares arrecadados nas doações das empresas, que podem dispensar nas urnas até os próprios aparelhos corporativos, serão avaliados pela Recomércio, que doará o valor total ao Instituto.
 
Com os recursos recebidos, de acordo com a escolha do participante, o Instituto 5 Elementos realizará uma palestra para os professores nas escolas e ou funcionários nas empresas sobre “Consumo e Descarte Sustentável” conceito totalmente alinhado a Política Nacional de Resíduos Sólidos. "A ideia é que a partir dos recursos financeiros arrecadados com a venda dos celulares usados, o Instituto 5 Elementos possa realizar um serviço de educação ambiental a fim de ampliar a consciência socioambiental nas escolas e nas companhias."  Além da palestra nas escolas os professores irão receber a doação de exemplares da Coleção Consumo Sustentável e Ação. Em sua terceira edição neste ano, a Coleção, que reúne sete livros e um CD, é um material pedagógico voltado à redução de impactos sobre o meio ambiente por meio de mudanças de atitude e estilo de vida. "Trata-se de uma ferramenta para a inclusão da educação ambiental na rotina escolar, em espaços educativos e comunidades."
 
Segundo Mônica, a campanha pode durar cerca de três meses em cada empresa e poderá ser repetida semestralmente ou anualmente. Na opinião da pedagoga, além de contribuir para reduzir os impactos do descarte incorreto de aparelhos celulares no meio ambiente e fomentar a consciência ambiental entre os funcionários, essa campanha também pode trazer visibilidade às empresas, compondo suas atividades relacionadas à responsabilidade social. Mônica observa ainda que a Campanha estimula a geração de renda das comunidades que trabalham com reciclagem, apoia o desenvolvimento dos projetos de educação ambiental do Instituto 5 Elementos e também contribui para disseminar a implantação da Política Pública do PGRIS – Plano de Gestão Integrado de Resíduos Sólidos do município, lançado em abril de 2014.


Brasil: campeão em lixo eletrônico
 
Campanhas como esta podem ainda ajudar o País a sair de alguns rankings constrangedores, acredita a pedagoga.  Entre os países emergentes, o Brasil é campeão em lixo eletrônico, com equipamentos de informática, vídeo e som, telefonia fixa e móvel, dispositivos de iluminação, eletrodomésticos, ferramentas e brinquedos eletrônicos, dentre outros. "Estudo do Ministério de Indústria e Comércio do Brasil mostra que, em 2014, foram geradas cerca de 1,1 milhão de toneladas de resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (Reee) pequenos, e a previsão é a de que aumentará para 1,24 milhão de toneladas neste ano. O levantamento mostra também que os 150 maiores municípios brasileiros – a maioria nas Regiões Sudeste e Sul – são responsáveis por aproximadamente dois terços de todo o lixo eletroeletrônico que, se estima, seja descartado no País", afirma Mônica.
 
Mundialmente, 40 milhões de toneladas de lixo eletrônico são geradas por ano. De acordo com estimativas da GSMA “mobile phone lifecycles”,  está entre 0,001 e 0,003%  o peso dos celulares reciclados no mundo sobre o lixo eletrônico total. Sem contar que é uma perda financeira também, já que de uma tonelada de celulares reciclada pode se recuperar até 230 gramas de ouro, outro metal, mas desta vez bastante nobre, utilizado na fabricação dos aparelhos.


 Mônica Pilz Borba**

É pedagoga pela PUC-SP e possui pós-graduação em Educação Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da USP e em Agricultura Biológico Dinâmica pelo Instituto Elo, é fundadora e gestora do Instituto 5 Elementos – Educação para a Sustentabilidade desde 1993, coordenadora e professora de cursos de educação ambiental. Foi vice-presidente do Subcomitê Pinheiros Pirapora da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, coordenou o Centro de Educação Ambiental do Parque Villa-Lobos, e o Centro de Educação Ambiental em Caucaia do Alto (Cotia/SP), projeto do HSBC. Em 2014, coordenou o projeto Consumo Sustentável e Ação dos Resíduos Sólidos na Subprefeitura da Lapa (SP), financiado pelo Fundo Especial de Meio Ambiente do Município de SP e pela Natura e participou do Grupo de trabalho Educação Ambiental e Comunicação Social do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Amlurb – Autoridade Municipal de Limpeza Urbana de SP . Coordenou programas como o de Energia Social para a Sustentabilidade Local, da Odebrecht Agroindustrial, realizado em várias cidades do País para promover o Desenvolvimento Sustentável Local por meio de uma gestão participativa apoiada em ações educativas e realizou diversos projetos nas áreas de cultura, educação, atividades produtivas, saúde, segurança e meio ambiente. Possui várias publicações voltadas a Educação Ambiental, tais como Coleção Consumo Sustentável e Ação – Resíduos Sólidos e Águas nos Oeste do Alto Tietê disponível para download aqui.


Instituto 5 Elementos – Educação para a Sustentabilidade*

Fundado em 1993, em São Paulo, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pioneira na disseminação de conceitos e práticas sustentáveis e tem como missão fomentar o debate sobre essas práticas na sociedade a fim de transformar a relação das pessoas com a natureza e o meio ambiente urbano. O Instituto 5 Elementos baseia seus princípios e atuação no Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e de Responsabilidade Global, na Carta da Terra e na Agenda 21 Brasileira. Tem vasta experiência no desenvolvimento e coordenação de projetos e programas de capacitação e educação ambiental para órgãos públicos e o setor privado, entre os quais as edições do Dedo Verde na Escola, realizadas em algumas Escolas Municipais, em São Paulo e Itapevi, com o objetivo desenvolver a alfabetização ecológica junto aos professores, alunos e pais, incentivando a alimentação saudável e os cuidados com todos os seres vivos do planeta. O Instituto 5 Elementos tem Cinco Focos de Atuação: Água, Consumo Sustentável, Espaços Educadores, Cidades Sustentáveis e a produção de Materiais Educativos, destacando-se as publicações “Atlas Socioambiental da Bacia Hidrográfica do Sorocaba Médio Tietê" e a plataforma de Agricultura Orgânica para a cidade de São Paulo, elaborada em parceria com outras instituições. 



Compartilhar



COMENTÁRIOS


 











dia 18 (Qua)
Meu amigo Enzo

Portal Vila Mariana ® SP